Egito

Todas em Egito

‹ Anterior

de 2

  1. A Cidadela

    Espalhada sobre uma área calcária da ponta leste da cidade, a Cidadela foi o lar de governantes do Egito por 700 anos. Seu legado são três mesquitas bem diferentes entre si, muitos palácios (que abrigam museus não tão interessantes; entrada incluída) e alguns terraços com vista para a cidade. Essa é uma das atrações turísticas mais populares do Cairo, embora a dificuldade de chegar a ela desanime alguns.

  2. Abd El Zaher

    O último encadernador de livros do Cairo também faz ótimos artigos em couro -- além de cadernos, álbuns de fotografia e diários. Monogramas em ouro estão incluídos no preço, que até comove de tão baixo, se for considerado o trabalho. O serviço de encadernar livros começa em 15 libras egípcias e leva alguns dias.

  3. At-Tabei ad-Dumyati

    Cerca de 200 m ao norte da Midan Orabi, esse lugar oferece uma das refeições mais baratas do Cairo -- e também uma das mais frequinhas e deliciosas. Comece escolhendo quatro saladas da grande variedade de opções, depois peça shwarma ou ta'amiyya, com sopa de lentilha ou fuul.

  4. Aulas de dança do ventre

    Algumas academias e alguns clubes da cidade oferecem aulas em grupo para quem ficará pouco na cidade: experimente o Estúdio Tawazon (5 Sharia
    Youssef al-Guindi), onde aulas avulsas custam E£60 quando disponíveis, e o Centro de Dança e Ginásio Samia Allouba (+20 2 3302-0572; www.samiaalloubacenter.com; 6 Sharia Amr, Mohandiseen).

  5. Beit Sabée

    Mais parecendo uma casa do que um hotel, o Beit Sabée apareceu em revistas de decoração graças ao seu uso arrojado de cores núbias e mobília local com um toque próprio. Próximo das fazendas nas cercanias de Medinet Habu, oferece acomodação silenciosa e um contato mais próximo com o Egito rural. Fica em uma casa de dois andares tradicional, feita de matope, e os oito quartos com banheiro são estilosos sem esforço. O café da manhã é servido ao ar livre. As diárias vão de 40 a 80 euros.

  6. Buddha Bar

    A filial do Cairo do mundialmente conhecido Buddha Bar é o lugar para badalar com pessoas lindas enquanto toma martínis de lichia e ouve discotecagem chill-out.

  7. Cavalgada

    Há apenas uma coisa a se fazer ao redor das Pirâmides, e não há como não ouvir a respeito. Mas uma cavalgada no deserto ao pôr do sol, com as Pirâmides ao fundo, é de fato inesquecível. Todos os estábulos concentram-se ao longo da rodovia, ao sul do estacionamento de charretes, perto do portão da Esfinge. A ideia geral de estrangeiros que moram no Egito é de que alguns dos melhores estábulos são o NB (+20 2 3382-0435), de Naser Breesh, e o FB (+20 2 0106 507 0288). Espere pagar cerca de E£100 por pessoa por hora em um bom lugar; os confiáveis vão pedir o pagamento só ao final do passeio.

  8. Centro de Arte Wissa Wassef

    Ao longo do Canal Maryutia, ao sul da Estrada das Pirâmides, este complexo de tijolos de areia e argila é trabalho do arquiteto Ramses Wissa Wassef. Ele ganhou um prêmio Aga Khan por seu refinado estilo tradicional. Os artesãos que trabalham aqui em ateliês abertos são conhecidos como bons tapeceiros, que retratam cenas rurais. Também há cerâmica e tecido batik, feito tão bem quanto. O lugar mais parece um santuário – tranquilo e com bastante verde, sobretudo após a visita empoeirada às pirâmides.

    Para chegar lá, pegue a linha de micro-ônibus de Saqqara (E£1) ou um táxi da Estrada das Pirâmides no Canal Maryutia – um gigante viaduto passa sobre ele.  Desça quando vir a placa azul com “Harraniyya”, depois de cerca de 3,5 km e 600 m depois do desvio do viaduto. O centro fica próximo ao canal, no lado esquerdo da estrada.

  9. El-Hammra Eco-Lodge

    Em um terreno um pouco deteriorado e com vista para os silos industriais de um dos lagos salgados de Wadi El-Natrun, esse conjunto de chalés não é ecológico como se gostaria, mas o lugar é tranquilo e o dono, uma figura. Além disso, a piscina fica aberta o dia todo mesmo para quem não está hospedado ali -- uma ótima ideia para os dias quentes do Egito.

  10. Fair Trade Egypt

    O artesanato vendido ali tem lucro revertido para projetos de geração de renda em todo o país. Entre os itens à venda, há mantas beduínas, algodão tecido à mão, cerâmica de Al-Fayoum e joias de Assuã. As colchas de algodão e os xales são especialmente bonitos e os preços, razoáveis.

  11. Farahat

    Numa pequena travessa da Sharia Al-Azhar, este lugar é lendário graças à sua pomba, que pode ser recheada ou grelhada. Sua aparência não convence muito – tem cadeiras de plástico na calçada – mas, uma vez que estiver comendo as aves suculentas e bem temperadas (o prato sai por cerca de 30 libras egípcias), você vai concordar com sua fama.

  12. Grande Pirâmide de Khufu (Quéops)

    A mais antiga pirâmide de Gizé e a maior do Egito, a Grande Pirâmide de Khufu (ou Quéops) chegava a 146 m de altura quando foi finalizada, em 2570 a.C. A experiência de escalar essa estrutura antiquíssima é inesquecível, mas proibida para claustrofóbicos.

  13. Medinet Madi

    Essa antiga cidade é uma das mais isoladas de Al-Fayoum, e isso é justamente o que a torna atraente, já que você pode aproveitar a solidão sob a areia que sopra das cabeças das esfinges de pedra e de outras ruínas. Medinet Madi (“Cidade do Passado”, em árabe) é mais lembrada por seu templo bem preservado do Médio Império, já que poucos templos dessa época sobreviveram no Egito. Ele é dedicado ao deus-crocodilo Sobek e à deusa-naja Renenutet e foi construído por Amenemhat III e Amenemhat IV. Escavadores italianos do início do século 20 descobriram um arquivo de textos gregos que se referem à cidade como Narmouthis. O sítio ainda está sendo investigado por essas equipes, que descobriram também outro templo de culto a crocodilos, onde esses animais parecem ter sido mantidos em cativeiro – um esconderijo de ovos foi encontrado, assim como corpos das criaturas em diversos estágios de desenvolvimento. Muitas vezes, eles eram sacrificados ainda muito jovens. Para essa visita, é preciso ir em veículo 4x4, pois não há uma estrada aberta que leve ao sítio. Se for de táxi, terá de andar 2km na areia aberta, partindo de Abu Gandir, que é a vila mais próxima.

  14. Mena House Oberoi

    Construído em 1869 como a casa de campo para as caçadas do Khedive Ismail, o Mena House brilha com sua decoração dourada e eterno aroma de jasmim. A ala do palácio, mais grandiosa, tem quartos quase cafonas, em estilo Mil e Uma Noites, com colchas, tapete e espelhos opulentos. Os quartos na ala do jardim são mais tipicamente modernos. A piscina, de acordo com o restante, é bem grande. As diárias começam em 160 euros.

  15. Museu de Luxor

    Esse maravilhoso museu tem uma belíssima coleção, que abrange desde o final do Antigo Reinado até o período de Mamluk. A maioria das peças veio de templos e da necrópole de Tebas. Entre elas, há múmias reais e a estátua de Tutmósis III, encontrada no Templo de Karnak.