FrançaDicas e artigos

A cidade do amor: o que fazer de romântico em Paris

Paris: cidade do amor

Por Nicola Williams

Não há como escapar do romance de Paris. No início do século 19, Paris se revelou na liberação artística e literária do Romantismo, mas essa cidade charmosa sempre inspirou o amor. Ele está permeado pela cidade, onde casais apaixonados descansam nos jardins perfeitos, ficam à vontade em bares à luz de velas e passeiam pelas margens do Sena de mãos dadas vendo o pôr do sol. As oportunidades de romance são infinitas, mas aqui vão nossas principais escolhas do que fazer na cidade do amor.

 

1. Observar a vista da Torre Eiffel

Aproveite para admirar a cidade de cima
Foto por: 
Eric_Schaeffer/ThinkStock

 

Não é de se surpreender que a Torre Eiffel seja o local de tantos pedidos de casamento: subir os três andares do ícone parisiense de 324 m para alcançar a vista panorâmica da cidade é super romântico – e ainda mais irresistível com uma taça de Champagne rosa no bar do último andar. Acelere o romance com uma subida depois que escurecer e a torre brilhar a cada hora com 20 mil luzes douradas.

 

2. Diga ‘Je t’aime’ em Montmartre

A icônica Sacré-Coeur embelezando um dos mais famosos bairros de Paris
Foto por: 
benslimanhassan/ThinkStock

 

Montmartre e a marcante Basilique du Sacré-Coeur (Basílica do Sagrado Coração) são locais de peregrinação para românticos e religiosos. Escadarias íngremes levam à cúpula branca da basílica, onde as vistas para a cidade – dos degraus da frente ou de dentro da cúpula principal – são inigualáveis.

Explore o coração desse famoso bairro artístico no Musée de Montmartre, instalado na mansão do século 17 onde o pintor impressionista Renoir e a pintora realista Suzanne Valadon tiveram estúdios. O jardim particular – uma corda pendurada em uma árvore evoca o quadro “O balanço” (1976) – é especialmente romântico.

Vá à place des Abbesses e descubra como dizer ‘Je t’aime’ em 250 idiomas no Les Mur des Je t’aime (lesjetaime.com). Dedicada ao amor, a parede do Eu te amo, pintada em azulejos de lava esmaltada, é uma criação dos artistas Frédéric Baron e Claire Kito.

 

3. Admire os Românticos franceses

Saindo da place des Abbesses, ande para o sul, rumo ao Musée de la Vie Romantique, incongruente mas à vontade na região de Pigalle. A mansão romântica, com venezianas verdes e jardins emaranhados, fica localizada em um pátio pavimentado ao fim de um beco cercado de árvores. A escritora George Sand e o pintor Ary Scheffer viveram lá, e os objetos em exposição possibilitam voltar no tempo até a era Romântica de Paris, quando Chopin, Delacroix e companhia frequentavam os salões da casa.

Admirem as obras do pintor romântico Delacroix no Louvre e no Musée d’Orsay (em ambos os casos, procure a THATLou para uma caça ao tesouro temática). Ou vá até a casa e estúdio de Delacroix, o Musée National Eugène Delacroix, para ver trabalhos mais intimistas como Un lit défait (1828). Quando se trata de esculturas, Rodin era o especialsita: se inspire em O Beijo (1889) e outras obras cheias de curvas no Musée Rodin.

O pensador também é uma famosa escultura de Rodin, que está em exposição no museu
Foto por: Zvonimir Šantek/ThinkStock

 

O escritor Victor Hugo foi outro grande romântico francês, inspirado por Notre Dame. Se aproxime dele no museu-residência Maison de Victor Hugo, na place des Vosges – um canto da cidade cheio de casais em clima de romance em dias mais amenos.

 

4. Descubra passagens secretas

O jardim frontal do Palais Royal
Foto por: 
isaxar/ThinkStock

 

Deixe-se levar pela nostalgia romântica da Paris do século 19 andando pelas lojas cobertas por arcos na margem direita. Garimpe lojas de antiguidade e sebos na Passage Verdeau (metrô Grands Boulevards, 10º arrondissement), casas de boneca em miniatura e brinquedos antigos na Passage Jouffroy. A casa de chá Le Valentin (restaurantparis9.fr) conquista qualquer um com seus gâteaux (bolos) caseiros.

Passeio rumo ao sul até a Passage des Panoramas (2º arrondissement), o primeiro arco aceso com lâmpadas a gás, em 1817. Boutiques vintage estão repletas de itens colecionáveis (selos, moedas, medalhas, cartões-postais) e bistrôs retrô se misturam a restaurantes que estão na moda, como o sem glúten Noglu (noglu.fr) e o Caffè Stern de Philippe Starck, localizado em uma antiga oficina de estampas.

Da Passage des Panoramas, siga até o Jardin du Palais Royal, envolto pelos elegantes arcos da Galerie de Montpensier e da Galerie de Valois. O gourmet Le Grand Véfour de Guy Martin é a última palavra em opulência do século 18.

 

5. Passeie de braços dados pelo Canal St-Martin

O charmoso Canal St-Martin
Foto por: 
Ekaterina Krasnikova/ThinkStock

 

Não há lugar melhor para uma caminhada romântica ou um passeio de bicicleta do que os caminhos sombreados ao longo do tranquilo Canal St-Martin, que datam do século 19. Demore-se na passarela de ferro que fica no cruzamento da rue de la Grange com a quai de Jemmapes para observar a ponte vintage abrir para deixar os barcos passarem pelo canal. Ou então puxe uma cadeira no Chez Prune para observar os barcos e se apaixonar por esse bairro boêmio e descolado.

Para o almoço, se jogue na culinária francesa tradicional no romântico e vintage Le Chansionnier ou aja naturalmente com uma garrafa de vinho do Le Verre Volé, uma pizza e uma bexiga cor-de-rosa para a viagem do Pink Flamingo.

 

6. Leve o romance a bordo

O lindo Bois de Bologne, de onde saem os barcos
Foto por: Georgios Alexandris/ThinkStock

 

Há um certo romantismo em navegar pelo Sena em uma travessia de Bateaux Parisiens ou de Bateaux Mouches. Mas se houver duas pessoas no barco é ainda mais memorável. Vá ao Bois de Boulogne para ir deslizando pelo Lac Inférieur em um barco a remo – romance e serenidade garantidos. Em seguida, se embrenhe pelo Jardin Shakespeare, onde são cultivadas plantas, flores e árvores mencionadas nas peças de Shakespeare. As apresentações que ocorrem no teatro a céu aberto no verão são mágicas.

 

7. Jantar para dois

Os restaurantes parisienses sabem mesmo como criar uma atmosfera
Foto por: 
amoklv/ThinkStock

 

O Les Ombres e o Café Branly oferecem vistas impressionantes da Torre Eiffel, que com certeza acelerarão corações em qualquer época do ano. Nas noites amenas do verão parisiense, os pombinhos podem ser cortejados em um jardim de terraço de tirar o fôlego no La Tour d’Argent (latourdargent.com), jantar em um pátio pavimentado no Derrière ou apelar para um jantar super romântico sob as estrelas nos cafés dos terraços por toda a cidade.

O labirinto de quartos iluminados por velas do Le Coupe-Chou é extremamente romântico, dentro de uma casa geminada do século 17 no 5º arrondissement, – assim como as mesas entre colunas art nouveau do Mini Palais, dentro do Grand Palais. As melhores escolhas para um almoço romântico são o terraço de pedra do Le Saut du Loup, perto do Louvre, e o Le Frank, na Fundação Louis Vuitton, no Bois de Boulogne. Prove ostras afrodisíacas no Au Rocher de Cancale – um favorito desde 1804 – ou beba um vinho a dois no Le Baron Rouge e em seguida sussurre nos ouvidos da sua companhia enquanto se maravilha com a sobremesa no restaurante Dessance.

 

Os hotéis mais românticos de Paris

  • O melhor lugar para ficar é o Hôtel Amour, com decoração em preto, que fica localizado no descolado 9º arrondissement.
  • Escolhas luxuosas repletas de história, romance e jardins sedutores incluem o Hôtel du Jeu de Paum, no Île St-Louis, e o Le Pavillon de la Reine, que fica em um pátio próximo à place des Vosges.
  • Escolha uma cama coberta de pétalas debaixo de um teto estrelado no romântico e contemporâneo The Five Hotel.
  • Só a decoração de opções intermediárias como o Hôtel Caron de Beaumarchais, o Hôtel du Petit Moulin e o Hôtel Félicien já deixa os românticos sem fôlego.
  • Não se engane com a simplicidade de uma cama gratuita entre estantes de livros na livraria Shakespeare & Company, ao lado do rio – uma noite aqui é o ápice do romance.
  • Quartos estilosos com varanda própria no Generator Hostel (generatorhostels.com), com vista para Montmartre – ou um dormitório com banheiro, onde a arte nas paredes declara ‘je pense que je t’aime’ (Eu acho que te amo).

Este artigo foi publicado em Junho de 2015 e foi atualizado em Junho de 2015.

França

Destaques