Dicas e artigos

Parque Nacional Torres del Paine: saiba tudo sobre a principal atração da Patagônia do Sul

Parque Nacional Torres del Paine

Quase 2 mil metros acima da estepe patagônica, os pilares de granito das Torres Del Paine dominam a paisagem do que pode ser o mais lindo parque nacional da América do Sul. Antes de sua criação, em 1959, o parque fazia parte de uma grande estancia de ovelhas e ainda está se recuperando de quase um século de superexploração de seus pastos, florestas e vida selvagem.

A maioria das pessoas visita o parque pelo seu principal destaque, mas ao chegar percebe que há outras atrações: lagos, trilhas por florestas, rios que você vai atravessar sobre pontes frágeis e uma grande geleira azul. A variedade abarca desde vastas extensões de estepe a montanhas e picos.

Vista do lago Pehoé, Chile
©Matt Munro/Lonely Planet 

 

Integrado ao sistema de Reserva da Biosfera da Unesco desde 1978, o parque abriga bandos de emas (conhecidas na região como nhandu), condores andinos, flamingos e muitas espécies de árvores. Seu maior sucesso de conservação são os guanacos, que pastam nas estepes abertas onde as pumas não podem alcançá-los. Depois de quase uma década de proteção efetiva contra os caçadores ilegais, esses grandes rebanhos nem se assustam com veículos ou humanos.

Quando o céu estiver aberto, as vistas são panorâmicas. No entanto, condições climáticas podem encobrir os picos com nuvens. Alguns dizem que você vive as quatro estações em um único dia, com tempestades repentinas e ventos que derrubam como parte de uma iniciação cordial. Leve roupas para o mau tempo, um saco de dormir sintético e, se estiver acampando, uma boa barraca. É sempre prudente planejar alguns dias a mais no roteiro.

Aproveite para ver o sol se pôr no parque
©Julie Klene/Lonely Planet 

 

No entanto, a atração suprema desse parque de 1.810 quilômetros quadrados é sua infraestrutura, que torna possível percorrer toda a trilha “W” dormindo em camas, comendo refeições quentes, usando chuveiros e até tomando um coquetel. É essencial reservar antes.

Se quiser dormir em hotéis ou refugios, você pode fazer as reservas com antecedência. Faça planos para um mínimo de três a sete dias para aproveitar as trilhas e outras atividades. Visitas guiadas de um dia em vans que partem de Puerto Natales são possíveis, mas permitem apenas um relance do que o parque tem a oferecer.

Vista do rio Paine, Chile
©Matt Munro/Lonely Planet 

 

No final de 2011, um incêndio queimou mais de 160 quilômetros quadrados do parque. O fogo demorou semanas para ser contido, destruiu florestas, matou animais e queimou muitas estruturas da reserva. Um visitante estrangeiro foi acusado de provocar o desastre ao acender uma fogueira ilegal. Ele negou, mas pagou uma multa de US$10.000 e concordou em ajudar as iniciativas de reflorestamento.

A área afetada, a maior parte entre Pehoé e Refugio Grey, é a parte ocidental da trilha “W”. Pode levar séculos para a floresta se recuperar. Seja consciente e preste atenção ao caminhar.

 

Aventure-se pelas trilhas

Os picos de granito de 2.800 metros das Torres Del Paine inspiram aventureiros do mundo inteiro. A maioria escolhe o Circuito Paine ou o “W”, deixando desertas outras trilhas incríveis. O Circuito Paine (o “W” mais a lateral da traseira dos picos) requer de sete a nove dias, enquanto o “W” (pela vaga semelhança traçada no mapa) leva entre quatro e cinco. Acrescente um dia ou dois para os percursos de transporte.

A maioria dos visitantes começa qualquer um dos trajetos em Laguna Amarga. Você pode caminhar desde a sede de admininistração ou pegar o catamarã de Pudeto até o Lago Pehoé; fazer a trilha do sudoeste ao noroeste ao longo do “W” oferece mais vistas de picos sedimentários conhecidos como Los Cuernos (2.200-2.600 metros). Fazer trekking sozinho, especialmente do lado posterior do circuito, não é recomendado. Operadoras de turismo em Puerto Natales oferecem trilhas guiadas, que incluem todas as refeições e acomodações.

 

Esta matéria faz parte do guia Chile e Ilha de Páscoa, da Lonely Planet.

Este artigo foi publicado em Novembro de 2015 e foi atualizado em Novembro de 2015.