Dicas e artigos

Warwickshire: conheça o coração da Inglaterra

Warwickshire

David Else

Frequentemente chamado de “coração da Inglaterra” graças à sua posição central - e famoso por abrigar a cidade-natal de William Shakespeare, Stratford-upon-Avon -, o condado de Warwickshire tem muito mais a oferecer aos fãs de história e a todos que se interessem pela enraizada e às vezes excêntrica cultura inglesa. 

Warwick: Joia da coroa

(Foto: David Else/Lonely Planet)

Datando de 1068 e expandido muitas vezes desde então, o castelo de Warwick é a mais impressionante das construções medievais da Inglaterra, com torres, ameias, portais e imensos portões levadiços. Hoje, oferece uma programação constante de atrações, entre elas um labirinto, uma exposição de aves de ravina, encenações históricas e a chance de experimentar atividades medievais, como arco-e-flecha e manuseamento de espadas no mais puro estilo Rei Arthur. Se estiver viajando com crianças, planeje passar um dia inteiro aqui e lembre-se de não largá-las para trás no calabouço.

Ao redor do castelo, de três lados (pelo quarto lado passo o Rio Avon), fica a robusta cidadezinha de Warwick, inicialmente estabelecida como uma cidade-fortaleza estratégica no antigo reino de Mércia, e hoje capital do condado de Warwickshire. Apesar de um incêndio sério ocorrido em 1694, muitos dos edifícios medievais de Warwick continuam de pé, entre os quais a igreja Collegiate Church of St. Mary e o hospital Lord Leycester.

Castelo de Kenilworth: A ruína perfeita

(Foto: Shutterstock/Lonely Planet)

Para uma versão menos “Disney” da história, o Kenilworth Castle é imbatível. Construído no século 12, hoje consiste em uma ruína perfeita, com todas as paredes ainda em pé e impressionantemente fortes, mas ainda assim desgastadas o bastante para lhe conferir um ar romântico. Ligado à guerras e à figuras importantes da realeza britânica, o castelo de Kenilworth dá uma verdadeira aula de história inglesa.

Shakespeare e Stratford

(Foto: Getty Images/Lonely Planet)

A cidadezinha compacta e histórica de Stratford-upon-Avon é o berço de Shakespeare, que nasceu ali em 1564 e morreu em 1616, e frequentemente fica lotada de visitantes. Remanescentes da vida do bardo ainda lotam as ruas em estilo Tudor, da (provável) casa em que ele passou a infância, conhecida como Shakespeare's Birthplace, ao seu descanso final na igreja Holy Trinity. A tempo para o aniversário de 400 anos da morte do dramaturgo em 2016, a escola em que ele estudou foi aberta aos visitantes, e a casa dele e os jardins, em New Place, foram restaurados. Você pode assistir às montagens de suas peças em um dos três renomados teatros da Royal Shakespeare Company.

LEIA MAIS: Uma viagem dos sonhos para amantes da arte

No rastro dos legionários

A Inglaterra fazia parte do Império Romano. Os colonizadores construíram longas estradas para controlar o território, entre as quais três que passavam pelo que hoje é Warwickshire: a Icknield Street, a Watling Street e a Fosse Way. Sempre que possível, os romanos projetavam as suas vias em linha reta, porque se tratava de uma forma eficiente, e muitas rodovias modernas seguem as mesmas rotas, que ainda cortam a paisagem em linha reta.

Parque Charlecote: Onde Shakespeare caçou um veado?

(Foto: Getty Images/Lonely Planet)

A algumas milhas de Stratford-upon-Avon, a grande casa de Charlecote Park foi fundada no século 16 e cercada por campinas, nas quais – de acordo com a lenda – um camarada local chamado Will Shakespeare caçou um veado. A casa já foi alterada muitas vezes ao longo dos anos e modernizada no século 19, e a sua mistura de arquitetura Tudor, georgiana e vitoriana é fascinante.

Rugby: Terra natal do esporte

Rugby é a segunda maior cidade de Warwickshire e lar da Rugby School, na qual, reza a lenda, um bando de estudantes jogava futebol em 1823 quando um deles, William Webb Ellis, pegou a bola com as mãos e saiu correndo. Com a decência tipicamente inglesa, em vez de acusá-lo de burlar as regras do jogo, a escola desenvolveu novas regras, e o jogo de rugby foi inventado. Não se pode entrar na escola, mas dá para espiar a fachada pela cerca e ver os famosos campos onde tudo começou, depois mergulhar na nostalgia do pequeno e charmoso museu Rugby Football Museum.

As catedrais de Coventry

(Foto: Getty Images/Lonely Planet)

A cidade de Coventry é cultural e historicamente parte de Warwickshire, embora as mudanças nas divisas a coloquem agora no condado vizinho, West Midlands. Conhecida por ter sido destruída nos anos 1940, nos bombardeios da Segunda Guerra Mundial, a cidade possui alguns resquícios medievais (entre os quais a St. Mary’s Guildhall, que serviu de prisão para Maria da Escócia), mas as atrações-chave dizem respeito à era moderna.

A mais linda é a Coventry Cathedral, uma sólida estrutura geométrica terminada em 1962 ao lado das ruínas da antiga catedral, hoje um pátio sem teto, mas com janelas e espirais que se erguem contra o céu.

LEIA MAIS: Explorando os segredos de Londres: cinco passeios fantásticos

Carros, bicicletas e 2-Tone

Coventry já foi um grande centro automobilístico, herança esta que é celebrada no museu Coventry Transport Museum, uma das maiores coleções públicas do mundo. Aqueles que são fascinados por motores, de todas as idades, podem admirar aqui caminhões, bicicletas e carros, que variam de carruagens do século 19 ao Thrust SSC, que bateu o recorde de velocidade em terra em 1997 por meio de um DeLorian (a estrela de De Volta para o Futuro) e à motocicleta Triumph Tiger, pilotada ao redor do mundo por Ted Simon e descrita em seu diário de viagem épico, Jupiter’s Travels.

Graças ao seu papel crucial na fabricação de automóveis, Coventry tem sido comparada a Detroit. Em vez de Motown e techno, essa cidade multicultural presenteou o mundo com o 2-Tone, o selo pelo qual gravaram bandas como The Specials e The Selecter e que acabou dando nome a um gênero baseado no ska e no punk. Você pode explorar o movimento, assim como as outras contribuições de Conventry para a cultura pop, no Coventry Music Museum.

A Floresta de Arden

(Foto: Getty Images/Lonely Planet)

Mil anos atrás, grande parte da Inglaterra central era coberta por florestas densas, e a faixa ao redor de Warwickshire era chamada de Floresta de Arden. Mais tarde imortalizada por Shakespeare na peça Como Quiseres, a floresta foi devastada para que fossem construídas cidades e indústrias. O melhor lugar para conhecer a história de Arden é no Wayside Cross, na Coughton Court, onde os viajantes costumavam rezar para que conseguissem passar ilesos pela floresta.


Hoje, as velhas florestas passam por um replanejamento patrocinado pelo hoje falecido poeta, magnata editorial e fundador da revista Maxim, Felix Dennis. Para ver os lugares que você pode visitar, acesse o site Heart of England Forest's (heartofenglandforest.com). Talvez seja romântico demais ver esse projeto como um renascimento de Arden, e Dennis como outro homem de letras que, seguindo os passos do legado de Shakespeare, tenta manter Warwickshire no centro da cultura e da história inglesa.

Este artigo foi publicado em Maio de 2016 e foi atualizado em Maio de 2016.