Dicas e artigos

Que visão! Os edifícios mais lindos do mundo

Palácio Potala, Tibete

Que visão! Os edifícios mais lindos do mundo

Logo de cara, vamos dizer que este não é um Top 10. Há tantos estilos de edifícios, que cada um merece um Top 50: edifícios sagrados, residências, arranha-céus, teatros...

Mas, em vez disso, esta lista mostra uma variedade de belezas arquitetônicas em todo o mundo – e aponta para você a direção de algumas oportunidades fotográficas inesquecíveis.

Alguns podem se chocar com algumas omissões – a Ópera de Sydney, o Chrysler Building, o Fallingwater... Considerem, porém, que este é só um ponto de partida, uma lista básica de pontos arquitetônicos obrigatórios em uma volta ao mundo gratificante para os olhos.

 

Museo Guggenheim, Espanha

Alguns críticos podem argumentar que o Museo Guggenheim, de Frank Gehry, na cidade de Bilbao (norte da Espanha), aberto em 1997, parece ter sido moldado por um abridor de latas, mas esse é um dos mais influentes e deslumbrantes edifícios da arquitetura moderna. Com as suas fitas de titânio e a sua série de blocos interconectados, o museu combina com o cenário industrial de Bilbao e também faz referência às curvas de disco voador do Solomon R. Guggenheim Museum de Nova York, assinado por Frank Lloyd Wright. Ah, e estávamos quase nos esquecendo: há arte na parte de dentro, também.

Palácio Potala, Tibete

Lá em cima, impondo-se sobre a cidade sagrada de Lhasa, fica a antiga residência de inverno do Dalai Lama. Mais notável por sua presença imponente do que por seus residentes, essa enorme construção de 13 andares contém milhares de cômodos e é decorada como um tradicional gompa (templo) budista, só que ainda mais elaborado. Mais de 7 mil pessoas, dizem, trabalharam para a sua construção no século 7 d.C. O Palácio Potala agora é um museu estadual da China e já foi declarado Patrimônio Mundial da Humanidade pela Unesco.

Bibliotheca Alexandrina, Egito

Entre as antigas pirâmides e a Bibliotheca Alexandrina, o Egito agora tem o melhor do antigo e do novo. Como um disco gigante aterrissado um pouco torto ou um enorme isqueiro, a biblioteca de Alexandria, de frente para o mar, talvez seja o primeiro grande design do milênio. Completada em 2002, foi inspirada pela Biblioteca Alexandrina original, fundada no século 3 a.C. e aclamada como a mais grandiosa de todas as instituições clássicas. O design inclinado representa o segundo sol nascendo ao lado do Mediterrâneo. A grande rotunda tem espaço para 8 milhões de livros.

Sagrada Família, Espanha

Certamente a igreja mais extraordinária do planeta, ela saiu da mente de um dos mais excêntricos arquitetos da história: Antoni Gaudí. Com as suas torres estreitas, como se fossem dois tentáculos estendidos de um polvo, a Sagrada Família começou a ser construída em 1882, embora a visão de Gaudí fosse tão complexa, que a igreja ainda hoje se encontra inacabada. Quando finalizada, ela exibirá três fachadas e 18 torres, a mais alta delas (170 m) representando Jesus Cristo. Há planos para a sua finalização em 2026, o 100º aniversário da morte de Gaudí, apesar de que será quase uma vergonha vê-la por fim completada.

Taj Mahal, Índia

Seria este o edifício mais famoso do mundo? E o mais romântico (ignorando-se, claro, a cidade industrial barulhenta que se espalha ao redor dele, além das hordas de assediadores de turistas)? Descrito pelo poeta indiano Rabindranath Tagore como “uma lágrima no rosto da eternidade”, o Taj Mahal em Agra foi construído pelo Imperador Shah Jahan como um memorial para a sua segunda mulher, Mumtaz Mahal, que morreu no parto do 14º filho deles, em 1631. Trata-se de um extravagante monumento ao amor, todo em mármore branco, o que explica a quantidade de casais jovens e apaixonados que passeiam por ali. Se for ao Taj, leia os nossos 5 ways to see it e fantastic side trips.

Mesquita Imam, Irã

Ao lado de uma das maiores praças do mundo, a Mesquita Imam, de Isfahan, é uma maravilha em mosaicos. Completamente coberta, dentro e fora, com pequenos ladrilhos de cerâmica azul-clara e amarela (a marca de Isfahan), trata-se de uma deslumbrante mesquita do século 17. Seus azulejos parecem mudar de cor dependendo das condições de iluminação. O domo principal tem 54 m de altura e apresenta um trabalho intrincado de mosaico, com flores estilizadas, enquanto o magnífico portal de 30 m de altura é um exemplo supremo de estilos arquitetônicos do período safávido (1502-1772). A mesquita fica um pouco virada para fora da praça, a cerca de 45 graus, de forma a ficar voltada para Meca.

Palácio de Inverno, Rússia

Mais conhecido como a casa do Museu Hermitage, essa joia cor de pistache, às margens do rio Neva, em São Petersburgo, foi projetada por Francesco Bartolomeo Rastrelli como a residência de inverno dos czares russos. Ocupando um quarteirão inteiro, guarda todas as ousadias e os ornamentos exagerados do período barroco, com estátuas no telhado que parecem estar prontas para mergulhar no Neva. Não à toa, o palácio está na cidade construída especificamente para provar que a Rússia podia produzir belezas arquitetônicas tal qual a Europa.

Crac des Chevaliers, Síria

Descrita por TE Lawrence como o “mais belo castelo do mundo”, essa fortaleza das Cruzadas, no alto de uma colina, pode até ter 800 anos de idade, mas, como um bom tratamento de botox, resiste firme e lisinha contra a fúria do tempo. Possui a planta clássica de um castelo medieval, com muralhas espessas na parte de fora, separadas da estrutura interna por um fosso aberto na pedra. Dentro, há uma minicidade, com capela, banhos romanos, um grande salão e uma galeria gótica. O sinal mais visível de envelhecimento é a vegetação que cresce nas paredes, mas nada que uma boa poda não resolva.

Museu Oscar Niemeyer, Brasil

Projetado por Oscar Niemeyer, o celebrado arquiteto que assinou a criação da capital brasileira, Brasília, o Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba, testará o seu senso estético. Como todos os grandes edifícios – e até mais – esse museu de arte tem na aparência algo de “ame ou odeie”, com a sua galeria principal em formato de olho de vidro, equilibrada sobre um suporte amarelo e alcançada por rampas curvas suspensas sobre uma piscina de água. Uma vez dentro do edifício, apelidado de “Museu do Olho”, você verá que todos os aspectos de seu design parecem casar beleza e ousadia lúdica.

Aya Sofya, Turquia

A Aya Sofya é a grande marca arquitetônica do coração de Istambul, com os seus quatro minaretes posicionados como foguetes prontos para decolar para a Lua. Construída no século 6 d.C. como uma igreja ortodoxa, mais tarde se tornou mesquita e, desde 1935, é um museu. A enorme estrutura foi construída em apenas cinco anos, e as suas paredes almiscaradas são vigiadas lá de cima por um domo imponente, com 31 m de largura e 56 m de altura. A base do domo é cercada por janelas, de forma que, de dentro da estrutura, o domo parece flutuar etereamente lá em cima, sobre o prédio.

Este artigo foi publicado em Fevereiro de 2014 e foi atualizado em Novembro de 2014.